Orientações Diocesanas de Pastoral 2014-2015

Orientações Diocesanas de Pastoral 2014-2015
Orientações Diocesanas de Pastoral
 
DA ALEGRIA DO EVANGELHO
À SAÍDA MISSIONÁRIA DA IGREJA
Programa e Calendário Diocesano
Açores, 2014-2015
 
 
 
1. APRESENTAÇÃO
 
As Orientações Pastorais para os próximos anos são-nos dadas pelo Papa Francisco, na recente Exortação Apostólica “A Alegria do Evangelho”: «Sonho com uma opção missionária capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estrutura eclesial se tornem
um canal proporcionado mais à evangelização do mundo atual que à auto preservação. A reforma das estruturas, que a conversão pastoral exige, só se pode entender neste sentido: fazer com que todas elas se tornem mais missionárias, que a pastoral ordinária, em todas as suas instâncias, seja mais
comunicativa e aberta, que coloque os agentes pastorais em atitude constante de “saída”… »
(Papa Francisco, Exortação Apostólica, A Alegria do Evangelho=AE, 24 de Novembro de 2013, n. 27).
 
Acolhendo esta forte interpelação da Exortação Apostólica do Papa, o Conselho Presbiteral, na sua reunião de 5 a 9 de Maio de 2014, sugeriu que a Diocese desencadeasse um processo, no sentido de promover, nos próximos anos:
 
• «A caraterização da identidade do povo açoriano…;
• Uma avaliação aprofundada da realidade da Igreja diocesana…;
• A sinalização das várias periferias para a nova “saída” missionária»
(Comunicado Final, 9 de Maio de 2014).
 
Nesta conformidade, no Ano Pastoral 2014/2015, vamos procurar pôr em movimento este processo de uma «nova “saída” missionária» da Igreja (AE 20), como propõe o Papa Francisco. 
 
Tenho, assim, a alegria de apresentar e aprovar as Orientações Diocesanas de Pastoral para 2014-2015, bem em sintonia com o grande desafio, lançado pelo Papa Francisco, no sentido de passar de «uma pastoral de mera conservação para uma pastoral decididamente missionária» (AE 15):
 
* «Duma Igreja autorreferencial para uma Igreja nas periferias existenciais;
* duma Igreja alfândega a uma Igreja samaritana;
* duma Igreja prestígio e poder a uma Igreja pobre e para os pobres;
* duma Igreja assistencialista a uma Igreja profética e comprometida;
* duma Igreja fechada em si a uma Igreja acidentada por sair às ruas;
* de uma Igreja centralizadora a uma Igreja “comunidade de comunidades”;
* duma Igreja clerical a uma Igreja toda ministerial»
(Pe. Dr. Luis Alves SDB, Conferência à CEP, Fátima, 17 de Junho de 2014).
 
Assim nos ajude e acompanhe a Virgem Maria, Mãe da Igreja, nesta caminhada de «conversão pastoral e missionária»!
 
Angra, 16 de Julho de 2014
 António, Bispo de Angra